O que falam sobre mim

Há anos pratico uma queda quase infinita, porque só conheço o ponto de partida. Caio diagonalmente aos meus anseios – quase posso tocá-los, vez ou outra os agarro, mas se desmancham nuvens entre os meus dedos. Caio desproporcionalmente ao compasso com que os outros caminham. Estou incapacitada e cheia de atitude. Temo que minha vontade extrapole o vazio e transborde – posso parecer louca e a loucura em sociedade é condenável. Estou num beijo. Estou num selo. Estou num posto de gasolina. Colada num poste eu estou, num barquinho de papel, num parque de diversões. Eu sou essa coisa visível e imperceptível. Minha missão é passar despercebida.

Traços de pessoas

por Jayro Schmidt

O livro "Uns traços, todos imponderáveis", da jovem escritora Priscila Lopes é composto de partes que se intercambiam numa linguagem sem esforço, talvez a única forma capaz de indicar a gravidade das coisas, isto é, o peso do cotidiano afetivo e volitivo. Em todas as partes há um foco central ou descentralizador – o amor, e em consequência a ruptura e demais termos como a decepção diante dessa coisa tão plena, mas insustentável.
O foco predominante, entretanto, recebeu um corte transversal ao desviar o afeto de ler-se numa dimensão quase platônica não fossem os aspectos edipianos e antiedipianos.
Priscila Lopes, logo se observa, não tem medo de jogar pedras no espelho.
Esta parte do livro, “Outros outubros”, contrasta com os embates do sujeito amoroso no presente (enquanto escreve), revelando-se então como índice remissivo de um romance familiar (invenção e exorcização), no qual somente a força intempestiva da criança (mundo às avessas) pode jogar com o dominador (pai) através da dominadora (mãe). Mas como ela, a criança, poderia consumar o amor nele ausente, um fantasma? Mesmo assim a criança, lançada contra seus desejos (linguagens), herda seus “ombros largos”, algo que agora constata: ombros de mutações, a pessoa dela sendo outra e outra ainda na expectativa ansiosa que não finda.
Nas demais partes a sintaxe dessa mudança (tripa por fora, pele por dentro) vai acontecendo sem retorno na escrita corporal com o dar outros nomes aos nomes de seu corpo sempre provisório, passageiro. Então, uma pessoa em outra pessoa, a que estava latente e que volta transfigurada em gradual mulher no homem para, enfim, fazer retornar o homem à mulher.
Os ombros do eu, neste caso subliminar, abolem o conflito dos contrários, mas as interdições do prazer permanecem, deixando a criança grande diante de paredes.

Quando me dou conta, estou contemplando paredes brancas.

A frase reabre o foco do livro e desenha-se em ciografia, na parte “Mais umas de amor”.
Pois é deste ponto em diante que a vivência transfere-se para a experiência como drama solar ou gesto hamletiano. Nas partes anteriores, assim, estavam as partes posteriores, ainda que a escrita do corpo atual tenha que abjurar.

E se forço a memória, me saem dela mais coisas do que quero lembrar.

Abjuração com bom humor, ironia e laconismo que referenciam Clarice Lispector, Ana Cristina Cesar e Ângela Melim.
Para um futuro estudo das relações intrapoéticas de Priscila Lopes, o mundo de suas confluências voluntárias ou não, neste rol incluiria Sylvia Plath e Alejandra Pisarnick.

​O livro espantado,
por Ramiro R. Batista

Tribo dos sensíveis
por André di Bernardi

É da editora Letras Contemporâneas a coletânea XXI poetas de hoje em dia(nte). Organizada por Aline Gallina e Priscila Lopes, o livro reúne escritores que utilizam principalmente a internet para divulgar seus trabalhos e textos literários. Trata-se de um belíssimo e interessante apanhado de bons artistas – alguns com obras publicadas no formato usual, outros completamente inéditos. São os praticantes da chamada e-poesia.

A internet é uma terra de ninguém. Mas, paradoxalmente, pode ser de todos. O mundo dá voltas, as curvas são inevitáveis e a região luminosa desses poetas abrange um largo território que extrapola vários limites. Vejo sinceridade, existem belíssimos textos na coletânea.

Entre boas surpresas, como Estrela Ruiz, filha de ninguém menos que Paulo Leminski, encontra-se outras promissoras vozes, como a dos mineiros Mônica de Aquino – uma das melhores poetas do livro – e Ronaldo Werneck e dos cariocas Victor Paes e Karinna Gulias. Autor do livro O óbvio dos sábios, Victor, sem pressa nenhuma, como um menino levado, ensina que é sempre possível resumir a luminosidade extrema de um poema, de um verso. Dizendo o mínimo, ele clareia o máximo. Trata-se, ao lado de Karinna, Mônica e Ronaldo, de poeta que já está pronto, que brincaria fácil na lista dos melhores escritores da nova geração.

Contudo, não se aplica o superlativo para definir muitos dos textos escolhidos do livro, é bom que se diga, mas o que transcende e o que realmente importa é que, ainda hoje, existem, resistem os poetas e a poesia, seja na rede mundial de computadores, seja no livro, que ora se torna, mal comparando, uma loja de brinquedos. Wilson Guanais encanta com a simplicidade de um raio: “Um dia/ eu quebro/ o inquebrável// : a casca/ do indizível”; e fulmina sem azáfama: “Sou poeta/ de um poema/ inacabado// : ainda/espero/ o inesperado”. Caixa de descobertas. Caixa escura. Toda poema é filho do mistério: “Quero/ apenas/ que/ o poema/ exista// e/ funcione/ um/ instante// se/ possível// que/ não/ o/ decifrem”.

Garimpo. Trabalho. Pérolas e diamantes. Panoramas. Batuques de várias tribos. Faróis. Com Poetas de hoje em dia(nte), Priscila Lopes e Aline Gallina forjaram forças e ampliaram 21 cantos para atualizar o sentimento de um pedaço de época. O primitivo som de diversas vozes. Poesias, poetas em trânsito, transidos de forças e palavras.

Aline Gallina, que, como Priscila Lopes, participa do livro, nasceu em Florianópolis, cursa artes plásticas e arquitetura e urbanismo e trabalha nas oficinas de arte da Fundação Catarinense de Cultura. Administra os blogs Cinco espinhos e ponto-e-vírgula. É dela o belíssimo poema “Tolerância”: “Sou de família azul/ parida pelo sul da vida/ Claro que não herdei/ a tolerância do silêncio// Minha mãe tem três filhos/ no futuro oco do espaço/ Meu ovo quebrou duas vezes/ antes de eu trazer eterna(mente)/ a tola herança da noite”.

Priscila Lopes, nascida em Brasília, é graduada em relações internacionais e cursa MBA em comércio exterior. Possui contos, crônicas e poemas publicados em antologias. Administra o blog Cinco espinhos e colabora com outros dois: Sindicato dos escritores baratos e Miniminimos. Dona de uma poesia singular, forte, é dela o poema “Corpo mole”: “Estamos fracos, sim quebramos/ frascos/ de perfumes baratos/ Carros demais/ atravessam a luz do dia/ Estamos na avenida sem ver/ o carnaval passar sem sambar/ o samba do crioulo/ doidos varridos/ porta à fora do sucesso (...)”.


Resenha publicada no Estado de Minas em 04.07.2009

Na vida, escolhemos caminhos que nos surgem pela frente e costumamos seguir adiante, quase que instintivamente, sem muita reflexão, pois, como dizem, o tempo está sempre nos comendo pela perna. Encontramos muita gente nos anos de trajetória. E, em meus 50 anos, recém completados, então, um montão de gente. Cada qual com seu grau de importância. E é claro que algumas pessoas se sobressaem das demais e entram, quase todas sem querer, para um rol de destaque na nossa humilde história. Priscila é uma delas.

 

Há alguns anos, encontrei Priscila Lopes por acaso, num site de novos escritores. Foram caminhos que se cruzaram, eram pretensões similares, mas comportamentos distintos. Imprescindível detalhe. Eu desisti de escrever, pois minha avassaladora autocrítica sagrou-se vencedora. Não lamentem. E ainda não sei se para o bem (dos leitores) ou para o mal (meu, particular). Priscila, ao contrário, perseverante por natureza (acredito, pois deu provas disso), seguiu em frente, cabeça erguida, decidida. O resultado está diante de meus olhos. Um livro surpreendente. E já é o seu segundo livro.

 

Costumo lembrar de uma frase que vi num diálogo de um filme, visto há vários anos, cujo nome não me vem: “somos sempre maiores do que pensamos ser e nossas ações geram mais consequências do que imaginamos.” É isso. Perfeito. Priscila se enquadra perfeitamente na máxima. Li seu livro com deleite e com certo orgulho de ter acompanhado sua trajetória, de longe, mas sempre com interesse no seu sucesso. Reconheci seu talento. Há alguns anos, chegamos a trocar emails, cujo teor não podia ser outra coisa: livros e literatura. Tive, em determinado momento, o prazer de receber uma confissão de Priscila, que talvez ela nem mais se lembre, entretanto vale recordar. Confidenciou-me à época: “Vou te contar um segredinho”, disse, segura em compartilhar: “Eu a-do-ro escritores gaúchos!” Aquilo soou como música aos meus ouvidos, ainda mais vindo de uma catarinense. Primeiro, porque eu também adoro ler escritores gaúchos; e, segundo, porque eles são meus conterrâneos. Anos depois, soube que um de seus contos fora publicado na Revista Cult e também fiquei muito feliz por mais um sucesso.

 

Em “O livro espantado” (122 páginas, editora Patuá, 2014), Priscila presenteia o leitor com 24 contos curtos, em narrativas curiosas, fluidas e digestivas, cujos temas vagueiam entre a infância e a pré-adolescência. Narrados, predominantemente, em primeira pessoa, a atmosfera dos contos nos passa a impressão de um livro de memórias, com o tradicional clima intimista e confessional. Embora já tenha lido que as narrativas em primeira pessoa sejam pouco confiáveis, e que deixam o leitor inseguro, posto que a história nos é transmitida sob o ponto de vista de apenas um dos personagens, ao mesmo tempo nos passam a ideia de veracidade, como se tudo, realmente, tenha acontecido. E Priscila conseguiu, pois, na maioria das narrativas de personagens femininos, tem-se a impressão de que a história se passou com a própria autora.

 

Embora na contracapa se mencione um “mergulho no universo da infância”, percebi, na quase totalidade dos contos, uma predominante maturidade na visão infantil das coisas pelos protagonistas, como memória revivida. Assim como assisti a uma entrevista de um garoto de 11 anos, capaz de uma aula de maturidade, muito provavelmente por ser uma criança que lê; acredito que revermos nossa infância em memórias longínquas depois de adulto, não só nos enriquece, como nos deixa mais conscientes do contínuo e necessário processo de autoconhecimento. Além disso, a narrativa de personagem feminino também nos possibilita, como leitores masculinos, a inusitada e interessante experiência extracorpórea.

 

Alguns contos se sobressaíram, no meu gosto pessoal, e os destaco. Em “Nunca amar” (p.7), o conto que abre o livro, a personagem com seus planos para o primeiro amor. “... à noite ficava até tarde na internet escolhendo as músicas; músicas para tocar quando se conhecerem, músicas para quando já tiverem dito ‘te amo’, músicas para o casamento... casamento!”, e foi impossível não fazer minha associação a uma canção popular dos anos 70, cujos versos pedem que o amor não chegue na hora marcada, e, ao final, imperativamente, “quando te encontrar, me reconheça”. 

 

Me encantou a passagem, em “A maçã do amor” (p.31): “... Calou-se. Para sempre. E eu também emudeci pálido como açúcar; apavorado como um pintinho que, na verdade, nem sabe do que tem medo, apenas vive de se apavorar, até virar galinha e perceber que não havia mistério então; era só botar ovos.”.

 

No conto “O livro espantado” (p.43), conto que dá título ao livro, uma relação muito pessoal com o livro e a paixão pela leitura: “... Foi em pé, abraçada ao pacote, deslizando os dedos sobre ele, sentindo seu peso; não podia ser o mesmo livro. Talvez fosse semelhante, com os vinte contos mais populares do século, ou de poesias, ou de micronarrativas. Ou quem sabe fosse um livro que o destino encomendara para ela...” E foi como mágica ler o conto e rever a minha própria relação com os livros. Adquiri, na infância ainda, uma relação quase esquizofrênica com o livro. O livro físico, seu cheiro, sua textura, a magia das imagens das capas, orelhas de degustação, e aquelas quase infinitas letrinhas enfileiradas a me hipnotizarem, sempre numa relação tempestuosa com a minha impossibilidade financeira de adquiri-los. Em décadas de psicoterapia, acho que eu só piorei. Embora eu, ultimamente, os tenha evitado, volta e meia tenho recaídas e, confesso, leio, leio muito. Houve um tempo em que gostaria de ter o poder especial de absorver o conteúdo de um livro com um simples toque de dedo, como alguns personagens de filmes de ficção científica; ou, melhor, poder esticar o tempo e ficar, dias e dias, lendo sem parar.

 

Em “Antes de mim” (p.97), reflexões como verdadeira poesia em prosa: “... ela às vezes falta em dias de chuva. Sua palidez pertence às quintas de chuva; de certo fica em casa cultuando-a, de certo sua mãe ou seu pai entendam que chover é suficiente. Pra que mais, me pergunto enquanto cruzo caras e bocas sorridentes, pra que mais?”. E, ainda no mesmo conto, algo fantástico e quase inimaginável: “... ela me ensinou Mario Quintana. Eu gostava de falar da coisa sem dizer o nome da coisa, só assim, coisa. E depois do Quintana eu me senti menos singular. Pelo menos até saber que ele havia morrido. Depois pensei que talvez eu fosse sua reencarnação, porque eu também escrevia ideias. E coisas.” (p.99).

 

E, não fossem todas as demais passagens, só esta última já justificaria a leitura do livro, em “A menina roubada” (p.121): “Então eu era um grito. Uma imaginação. Compraram-me como um intangível. Eu estava no aplauso, estalando. Eu estava no silêncio de taças inquebráveis. Como um porcelanato eu me atirei contra meus princípios – num precipício estou caindo há vinte anos.” Uma prova do talento e da escrita incomum de Priscila Lopes. 

 

Outro dia li, numa das suas postagens, em sua página do Facebook, na qual Priscila contestava uma declaração equivocada de um leitor que dizia não haver escritores de talento na Literatura Brasileira contemporânea após Guimarães Rosa. Bons escritores existem e publicam. Falta, talvez, mais divulgação de seus trabalhos e, claro, interesse dos leitores em procurar algo novo e de qualidade. Best Sellers nunca foram garantia de qualidade. Mas me sinto na liberdade de dizer que Priscila Lopes está ao lado de muitos outros novos talentos da literatura brasileira contemporânea. Entre os quais, gosto de lembrar dos que já li: Paulo Scott, Luisa Geisler, Marcelino Freire, Ronaldo Bressane, Daniel Pelizzari, Clarissa Corrêa, e outros, muitos outros.

​Linhas para Priscila,
por Marcelo Moutinho

Em seu segundo livro, Priscila Lopes mergulha no universo da infância para reencenar o susto das descobertas: a primeira dor, o primeiro amor, a primeira morte. Com uma prosa fluida e sensível, a autora examina as relações familiares sob o prisma das estreias – e do estranhamento. É a garota que troca de escola, é o menino que conversa com as flores, é a avó que fala com os já falecidos, é mãe que chora cortando cebolas - mas não só. Os 24 contos são entremeados por curtos diálogos que servem de costura entre as histórias, dando coesão à obra. Nas aparentes miudezas do cotidiano, Priscila colhe epifanias.

Siga-me na sua rede favorita:

  • Instagram
  • LinkedIn ícone social
  • Wix Facebook page
  • Wix Twitter page

© 2013 by PRISCILA LOPES
Fotógrafo Leonardo Gaudio


 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now